Desconexão de host em Dead by Daylight – GeForce Now: como resolver?

Infelizmente, eu vinha sofrendo com desconexões de host em Dead by Daylight e Propnight frequentemente no GeForce Now. Junto com esse problema, o jogo parecia não rodar de forma decente no serviço, como se estivesse rodando num computador da Xuxa, mesmo sendo assinante Prioridade.

Ontem, em um ato de desespero, desloguei a conta da Steam (a maioria dos meus jogos são de lá) e reloguei novamente. Como num passe de mágica, Dead by Daylight rodou redondo com configuração padrão no Alto. Coloquei os gráficos no Ultra e joguei 9 partidas normalmente. Fechei o jogo e fui dormir, feliz.

No dia seguinte, abri o DBD e o problema de lentidão, engasgos e etc. voltaram. Então, fechei o jogo, desloguei a conta da Steam, abri Dead by Daylight (sem logar novamente a Steam), e ele voltou a ficar excelente.

A conclusão é que, por alguma razão que não faço a menor ideia do que seja, a conta da Steam ligada diretamente no app do GeForce Now, um recurso que deveria facilitar nossa vida, causa algum tipo de incompatibilidade nos jogos.

Eu só identifiquei isso em Dead by Daylight e Propnight por ser os games que mais jogo. Mas é certo que outros jogos, principalmente os que fazem uso de multilayer, sofrem com isso.

Por isso, se você estiver com o mesmo problema, faça isso:

Abra o GeForce Now, e vá em Configurações > Conexões. Deslogue de todas as lojas, por precaução. Na real, essas conexões só estão lá para facilitar a adição de jogos da sua bicicleta na loja à biblioteca do GeForce Now, mas você pode fazer isso buscando o jogo no próprio GeForce Now, e adicionando manualmente.

Claro que já falei com o suporte da ABYA, empresa que gerência o GeForce Now na América Latina, e eles estão investigando o problema. Aliás, quero destacar a atenção que o suporte teve comigo. Foi excelente!

Enquanto a correção não vem, façam isso que falei, e contem nos comentários se resolveu pra vocês também. 😀👍

Amazon libera “post-its”, ou notas, no Brasil

Essa é uma das funções pequenas que existe há eras nas Alexas ao redor do mundo, mas não na nossa: post-it. Aquele papelzinho que você escreve algo curto e gruda em todo lugar, agora também está na Alexa.

Para chegar até ele, é só abrir o Alexa app, ir na aba “mais”, e ir no menu “listas e notas”. Você vai poder escrever e visualizar as notas lá. Nos dispositivos com tela, ele vai aparecer em alguns momentos, ou ficará fixo se você colocar o widget equivalente no Echo Show 15.

Você pode pedir para os Echo Show “Alexa, mostre minhas notas fixas”, e uma tela com todas elas vai aparecer. Você pode criar notas a partir da tela de toque dos Echo Show também (mas não recomendo). Por hora, o comando “mostrar todas as notas” ou “mostrar minhas notas” não está funcionando, mas deve ser só uma questão de dias para funcionar adequadamente.

É útil? Talvez. Vou usar? Não. 😂

Particularmente, prefiro o Intuições da Alexa e o Guardiã Alexa disponíveis no nosso país do que essas funções menores. Portugal tem ambos, era só uma questão de virar a chavinha e liberar pra gente também…

Como foi comprar na PluriBox?

Recentemente, eu adquiri um Amazon Echo Flex na Amazon Europa, mas como a Amazon não envia seus produtos para fora do país da qual a filial atua (só produtos de terceiros ela importa), precisei usar um redirecionador para tanto.

Principalmente motivo de ter comprado o bichinho na Amazon Europa. (Créditos: Cliente aleatório da Amazon Espanha/Comentários/Divulgação)

Nos EUA é muito fácil de encontrar um desses serviços. O mais popular é o My VIP Box, mas na Europa eu nunca tinha ouvido falar de algo do tipo. (beeeeem) Depois de fazer uma pergunta na Comunidade do Tecnoblog, resolvi no último domingo, dia 6, que queria adquirir o Flex.

Pra minha felicidade, ele estava com 50% de desconto, 14 euros, o que saiu muito barato. No total, com conversão da bandeira do cartão + o IOF, ele saiu por módicos 96 reais. Uma pechincha! Compra feita, era só esperar a Amazon.es (não existe uma Amazon.pt) enviar pra PluriBox.

Uma coisa que me incomoda na PluriBox, é que ela não aceita nenhum redirecionamento que não seja encomenda. Ela também não permite usar o endereço pra nada além das lojas. É uma limitação tola que a My VIP Box não tem.

Ignorando esses fatos mais simples, a coisa mais estranha entre todas as regras é que VOCÊ precisa avisar a PluriBox que o produto está chegando. Se você não fizer isso, vão te cobrar uma “taxa de localização”. 🤡

Novamente: a My VIP Box não tem isso. 🤷‍♂️

Sério? 🤡 (Créditos: Ward’z de Souza)

Seguindo: feito esse trâmite, o produto chegou ao redirecionador no dia 10, exatamente como previsto. No mesmo dia me avisaram, e mandaram fotos. E olha que era além do limite máximo de “até às 17h no horário local para o preparo no mesmo dia”. Montei minha caixa, e poucos minutos depois ela já estava pontinha! Por problemas técnicos da minha financeira, eu só consegui concluir o pagamento do transporte de madrugada no dia 11.

E é aqui que está o problema: as taxas do PluriBox são troco de pinga se comparado com a taxa de transporte das entregadoras. O valor mínimo era 45 euros da sempre competente alemã DHL, o que fez os módicos 96 reais do Echo Flex, saltar pra mais de 430 reais. 🤣

A ÚNICA coisa boa disso, é que assim que a PluriBox entregou o produto pra transportadora, o prazo de entrega máximo era de apenas 5 dias do “Velho Continente” até o “Novo Mundo”. Mas se desse pra escolher, eu preferia demorar 3 meses pra receber pagando uma taxa de transporte beeeeeem pequena.

Infelizmente, nem tudo são flores: no dia que o Echo Flex chegou até Guarulhos, estava tendo uma greve dos fiscais aduaneiros. Só isso fez gelar minha espinha. Não porquê o Echo Flex não ia chegar a tempo, mas porquê isso certamente ia se refletir em taxa aduaneira.

Eu já comprei coisas fora do país, e nunca fui taxado. Mas sempre existe uma primeira vez. E ela chegou: o fiscal mal humorado que pegou minha encomenda, foi lá e taxou. Mesmo ela sendo leve, pequena e estar longe do valor máximo onde as taxas de importação ficam isentas.

Conclusão:

Apesar das regras estranhas, a minha experiência com a PluriBox foi das mais agradáveis possíveis. Mas tenha em mente que se você for taxado, principalmente por causa de mal humor de fiscalização, você vai ter que pagar muito, muito caro pelo seu produto. Mesmo se ele estiver dentro dos requisitos mínimos para isenção.

PS: minha reclamação com Amazon, é que ela cancelou o plugin Clock do Echo Flex. Não tem em nenhuma Amazon ao redor do mundo. Provavelmente o estoque remanescente foi destruído e não tem em nenhum armazém da empresa. Eu já perguntei.

Stumble Guys: jogo será gratuito na Steam a partir de 1º de Abril

O melhor clone de Fall Guys, Stumble Guys, foi lançado na Steam há alguns meses. Na plataforma da Valve ele é pago, mas a equipe de desenvolvedores resolveu torná-lo free to play a partir de 1º de Abril.

Mas, até lá, quem for comprar o jogo, terá Passe Premium gratuito para sempre, renovado todo mês. Também terá acesso a alguns itens dentro do jogo de forma gratuita.

Se você for agora na página do jogo, poderá adquiri-lo com 50% de desconto ou você pode testar o jogo antes de pagar por ele durante o final de semana.

MAS ATENÇÃO: se você testar o jogo antes de comprar, você não terá acesso ao Passe Premium gratuito para sempre.

Eu recomendo ler meu review do jogo e, se gostar, ir comprar.

PS: não tô ganhando nada pra isso. Eu gosto do jogo, e quero que mais pessoas tenham acesso. 👍

Promoçãozinha bacana da Kitka! (Créditos: Kitka Games na Steam/Divulgação)

Abaixo, o comunicado da Kitka Games:

Oi Stumblers!

Temos muitas novidades para você, então vamos lá. Primeiras coisas primeiro.

Passe Premium estendido permanentemente para todos que compraram o jogo

Sim, você leu certo. Se você pagou pelo Stumble Guys na Steam, você pode manter seu Passe Premium infinitamente, ele continuará sendo renovado mensalmente e você manterá seu acesso a gemas extras e itens.

Ouvimos seus comentários e decidimos que este é o melhor caminho a seguir.

Naturalmente, todos que comprarem o jogo na Steam antes de 1º de abril (quando ele for gratuito), também poderão manter o Passe Premium infinito.

Fim de semana grátis e promoção

A partir de hoje e até o final desta semana, Stumble Guys está livre para qualquer um experimentar na Steam, como uma espécie de gostinho. Conte aos seus amigos!

Os jogadores que experimentarem o teste gratuito do jogo não terão o Passe Premium infinito depois que o jogo for gratuito, no entanto, poderão manter todos os itens desbloqueados com o Passe Premium durante o fim de semana.

Além disso, estamos realizando uma promoção de 50% no Stumble Guys até 14 de março, às 10h, horário do Pacífico. Está é a chance perfeita de obter o Passe Premium infinito por um preço reduzido.

Como sempre, mantenha contato conosco, por exemplo, através do nosso canal oficial do Discord.

Feliz Tropeço!

Kitka Games na Steam

Como saber em qual serviço de streaming está minha série favorita? — Filmes também!

Uma das perguntas que mais vejo por aí é “onde posso achar a série tal?”. Então, meu caro gafanhoto, mostrarei onde você pode achar sua série favorita.

JustWatch até na TV. Sério! (Créditos: JustWatch/Divulgação)

JustWatch. Esse é o nome do serviço que você vai precisar. Há apps para iOS e Android, e você pode usar navegador também.

O JustWatch tem todos os serviços de streaming disponíveis na busca. Você pode criar uma conta, mas se quiser pode buscar sem uma. É 100% gratuito.

Agora é só pegar a pipoca e se divertir.

Bye 👋

Wyze não oferecerá mais o Cam Plus via Google Play Store no Brasil

É isso mesmo que você leu, caro leitor: a Wyze infelizmente desistiu do Brasil e vai retirar a possibilidade de assinar o Cam Plus (e por tabela o Cam Plus Pro), da Play Store a partir de 9 de fevereiro.

Segundo a empresa, isso foi decidido devido “às políticas específicas da loja brasileira”, provavelmente algum gargalo com imposto e o Real que tá derretendo há quase uma década.

Enfim, a seguir vou colocar o comunicado traduzido (mal e porcamente, perdoem meu inglês) da empresa, ênfase minha:

Informações importantes sobre vendas in-app no Brasil

A Wyze não oferecerá mais suporte a compras no aplicativo por meio do Google Play no Brasil após 9 de fevereiro de 2022 devido às políticas da loja de aplicativos específicas do Brasil.

Se você assinou o Cam Plus usando o aplicativo Wyze em um dispositivo Android, não poderá renovar sua assinatura ou comprar mais licenças por meio do aplicativo.

Avisaremos quando permitirmos que cartões de crédito internacionais adquiram assinaturas Cam Plus em services.wyze.com.

Comunicado da Wyze via app.
Comunicação in-app da Wyze. (Créditos: @GordoGeek no Twitter)

🤷‍♂️

Fonte: @GordoGeek no Twitter.

Twitter finalmente começa a liberar as Comunidades para contas brasileiras

Há pouco, recebi o convite do Twitter para acessar as Comunidades. Embora não seja igual ao que era no Orkut, ele quebra um galho.

Pra início de conversa, o Twitter avisa no e-mail que as Comunidades não estão disponíveis no Android (nem menciona o robô), então para acessar e criar Comunidades, provavelmente você terá que fazer isso da Web. Sim iOS tem Comunidades, não é surpresa, né?

MAS, no meu caso, eu uso o Twitter Alpha (existe a versão beta do app também), então eu já tenho acesso total. Inclusive, a aba de Comunidades apareceu no meu app. Só as configurações iniciais precisaram ser feitas no navegador.

• You can now create your Community on Twitter.com (Twitter Web) or Twitter for iOS. Only one Community can be created per account right now.

Twitter Communities Pilot/email

A primeira coisa que você vê quando acessa o Twitter.com, é uma nova aba 👥.

Fica no meio, já é uma boa coisa. (Créditos: Ward’z de Souza)

Ao clicar nela, você já se depara com algumas Comunidades já criadas, todas em inglês, aliás.

Mas você também vê o sinal de “mais”, e pode criar Comunidades lá. Recomendo controlar sua sanha, diferente de mim que sai criando logo 3. 🥲

Não tenho nada a declarar. 👀 (Créditos: Ward’z de Souza)

O processo de criação é simples: basta colocar o título da comunidade (máximo de 30 caracteres) e a descrição (máximo de 160 caracteres), clicar em criar e pronto.

Ah, e cuidado. Se clicar em “criar” e nada acontecer feijoada, e você clicar de novo e de novo, ela vai sair criando comunidades a rodo. Clique uma vez e, se nada acontecer, saia da tela de outra forma.

Uma vez criada a Comunidade, vai ter um botão enorme pra você acessar as configurações da comunidade, onde pode fazer refinamentos como colocar imagem e mudar a cor de destaque.

As Comunidades têm duas configurações de acesso: público e restrito, mas o restrito apenas impede que qualquer pessoa entre na Comunidade. As pessoas (que tiverem acesso as Comunidades) ainda vão poder localizá-la na busca interna. 👍

Você também pode convidar pessoas, e uma vez que alguém recebe o convite, que é enviado via DM, ela pode acessar as Comunidades normalmente, mas NÃO poderá criar suas próprias. Tal qual a pessoa que acessar o link de alguma Comunidade que apareça na timeline padrão.

Dito isso, divirta-se com as que eu criei:

https://twitter.com/i/communities/1487166002051915777

https://twitter.com/i/communities/1487166001984806912

https://twitter.com/i/communities/1487166001984774148

Até lá. 👋

Wyze Cam finalmente facilita a vida dos clientes e lança visualizador web para suas câmeras [atualizado]

Eu adoro a Wyze. Suas câmeras são ótimas e baratas, mesmo para nós brasileiros. Substitui uma da Xiaomi por ela, e inclui mais duas na malha de visualização.

O problema: o app não mostra o ao vivo pelo thumbnail, apenas uma imagem estática da última vez que você acessou a câmera. Se você quiser ver ao vivo, tem que clicar na câmera que você quer visualizar.

Felizmente esse inconveniente está prestes a ser solucionado:

<correção>

É possível ver ao vivo no app também, mas precisa criar um grupo de câmeras pra isso. Fui burro, e peço desculpas por isso. Podem continuar o texto. 😉

</correção>

[…] a empresa lançou um Web Viewer Live streaming para suas câmeras. Ao acessar o site view.wyze.com e fazer login, você poderá ver todas as câmeras da sua conta ao vivo, mesmo se for a Wyze Doorbell.

Eu posso ver tudo agora! (Créditos: Ward’z de Souza)

O site ainda está em versão beta, mas o essencial está ali: Live streaming, visualização dos Eventos por tipo ou gatilho além de poder ouvir o ambiente. Embora o site tenha pedido acesso ao microfone, aqui não foi possível usar o áudio bidirecional. Mas como disse, o site ainda está em beta.

Tem o essencial, o que já é ótimo. (Créditos: Ward’z de Souza)

A Wyze informa que o web viewer é compatível com o navegador Chrome e os sistemas operacionais Windows, macOS e Linux, mas acessei o site pelo Samsung Internet, Edge, Opera e Firefox, inclusive no Android e funcionou em todos sem limitações.

Parece que agora vai fazer muito mais sentido comprar um tablet usado, e torná-lo o “monitor” para as minhas câmeras aqui em casa. 😂

(agradecimentos ao @GordoGeek pela dica no Twitter. 👍)

Como usar as câmeras da Wyze como gatilho de ação na Alexa? (Detecção de Pessoa e Visualização no Echo Show e FireTV)

Hoje resolvi ficar cutucando minhas coisas de Casa Inteligente, e de repente me veio uma iluminação: será que dá pra fazer a Alexa me mostrar automaticamente a câmera quando alguém está no portão de casa? 🤔

Pra minha felicidade, sim. O problema: só está disponível na Alexa americana. 🤡

Mas como sou teimoso, resolvi pagar pra ver (figurativamente, claro. Chega de boletos na minha vida).

Aqui neste texto, usarei como peça de demonstração a câmera Wi-Fi Cam Pan de 1ª geração da americana Wyze, mas qualquer câmera que esteja disponível na Alexa e tenha um serviço de detecção de pessoas funcionará.

Preparativos

Bom, como disse mais acima no texto, infelizmente, para configurar o gatilho “Detecção de Pessoa” de câmeras na Rotina da Alexa, será necessário mudar sua conta temporariamente para os EUA. Não se preocupe, essa mudança não afetará negativamente sua Conta Amazon, e a mudança pode ser feita quantas vezes desejar.

Neste artigo, a Amazon mostra como você pode fazer essa mudança.

Feito isso, você precisará confirmar que sua câmera (no caso, Wyze) está devidamente conectada à Alexa e está com a função de detectar pessoas ativa tanto no app da Wyze, quanto no da Amazon.

No app da Wyze

Para isso, abra o app da Wyze e vá na engrenagem ⚙, Event Recording, Smart Detection e veja se Person Detection está ativada. Se não estiver, ative.

No app da Alexa

Abra o app da Alexa e vá em Mais, Configurações, Configurações do Dispositivo e clique na câmera que você deseja. Se “aviso de detecção de pessoa” estiver desativado, ative. Aproveite, e acesse “Dispositivos de Aviso” para limitar o aviso de detecção apenas nos dispositivos que você quer ouvir.

Configurações da minha câmera. A sua deve ser parecida. (Créditos: Ward’z de Souza)

Configurações

Agora que tudo isso está pronto, hora de criar a Rotina que vai permitir que a Alexa abra a câmera sozinha assim que detectar uma pessoa no local desejado.

Vá em Mais e depois clique em Rotinas. Clique no sinal de mais.

Agora, clique em “Quando isto acontecer”, clique em Casa Inteligente, e depois na câmera que deseja. Depois, confirme. Se quiser, você pode acessar a opção “Qualquer momento” para especificar em qual hora do dia essa rotina vai funcionar. Clique em “adicionar ação” e depois em “Personalizar”. Neste campo você vai escrever “mostrar a <nome da sua camera>, para que a Alexa executive a ação.

Pronto, com isso é só salvar a rotina, voltar sua Conta Amazon para o Brasil, e partir pro abraço. Ah, e não se preocupe, mesmo mudando sua conta de volta pro Brasil, as skills americanas (Wyze), e as rotinas criadas, permanecem intactas. No caso das skills, você só não terá acesso a elas, mas as câmeras estaram lá.

POSSIVELMENTE, câmeras vendidas no Brasil e com skills liberadas no nosso país, não necessitarão de mudança de país da Conta Amazon, mas como a versão americana tem muito mais funções que a nossa Alexa, é bom fazer isso… por precaução.

Então é isso, pessoal. Até a próxima! 😉

Notch: o dente podre que se tornou um buraquinho, agora também nos notebook (Thanks, Apple)

Existem várias decisões de design nos smartphones atuais que eu não gosto, mas a que mais odeio é o notch. Aquele entelhe ridículo que fica na tela do aparelho.

Morra, notch. (Créditos: biblioteca de imagens do WordPress)

Essa coisa (sério, eu odeio muito isso) se popularizou com o lançamento do iPhone X em 2017, mas ele surgiu um pouco antes disso.

Ele nada mais é que uma tentativa das fabricantes de acomodar os sensores num espaço diminuto, para que possam preencher a frente do aparelho com a maior quantidade de tela possível, abolindo de vez (ou ao menos eliminando a maioria) das bordas pretas da frente do dispositivo.

Nascimento

A primeira aparição do notch foi em 2015, com o lançamento do LG V10. O notch dele ficava no lado superior esquerdo, enquanto o lado “vazio” usava uma segunda telinha totalmente personalizável pelo dono.

Hoje ele é feio. (Créditos: LG Europe/Divulgação)

O V10 foi lançado mundialmente, mas fez sucesso em poucos países. Embora com sucesso limitado, o notch dele conseguiu ter bastante atenção da comunidade.

O segundo aparelho a contar com essa monosselha, foi o Essential Phone, smartphone idealizado pelo criador do Android, Andy Rubin.

Era até bonitão, mas a empresa faliu. (Créditos: Amazon.com/Divulgação)

No caso, aqui não era uma monosselha ridícula como a dos celulares pós iPhone, mas sim uma “gota”, suficiente para acomodar o sensor da câmera frontal. Não que não seja feio do mesmo modo. O Essential Phone foi apresentado em maio de 2017 (enquanto o iPhone X foi revelado em setembro).

Notch pós iPhone

Como pode ser visto, apesar da Apple não ter criado o notch, ela foi a responsável por popularizar essa abominação aos olhos de Deus.

Em 12 de setembro de 2017, a Apple apresentou o iPhone Dentuço, com um Dente de Coelho enorme, onde além de acomodar o sensor da câmera frontal, também fica o sensor de proximidade e 3 sensores relacionados ao desbloqueio do aparelho com o rosto (FaceID).

Infelizmente, não demorou muito para que todas as fabricantes do universo copiassem esse negócio de notch. Até smartphones de baixo custo aderiram ao entalhe. Com o passar do tempo, elas foram diminuindo o notch, e alguns até sumiram com ele.

Evolução

Ao longo de 2018, foram surgindo fabricantes que não usavam notch, mas a câmera ficava escondida dentro do próprio aparelho. O Oppo Find X era um deles, que tinha uma câmera frontal retrátil. A grande maioria era de soluções mecânicas. E nós sabemos bem que tudo que é móvel, quebra.

Se quebrar, você já sabe. (Créditos: The Verge)

Com o passar do tempo, foram surgindo soluções que escondiam a câmera na própria tela como mágica. O melhor exemblo disso era o Xiaomi Mi Mix 4

Mágica! (Créditos: Weibo)

Em fevereiro e agosto de 2019, a Samsung lançou a linha S10 e Note 10, respectivamente, que ao invés de ter um notch, tinha um pequeno furo para a câmera frontal. O buraco, embora estranho, ainda é bem melhor que um entelhe enorme. Graças a isso, uma nova e interessante gama de wallpapers surgiram para tantar esconder o buraco, ou ao menos deixá-lo bem mais discreto.

Com isso sou obrigado a admitir que fiquei bem mais aberto ao buraco (ok, isso ficou estranho).

C’est fini

Infelizmente, para meu desespero, a Apple resolveu que era hora de limar as bordas das telas dos MacBooks. “Infelizmente” porquê a Apple vai incluir o FaceID no laptop dela. E pra isso, vai precisar incluir o notch, pra acomodar os sensores.

Já viu onde quero chegar, né?

Dessa vez espero que as fabricante só importem as melhorias feitas nos seus smartphones para seus laptops. Ninguém merece conviver com uma tela com um dente podre te olhando pra sempre.

Fora isso, agora só falta as fabricantes pararem de criar calombos horrorosos nas costas dos espertofones.